GERAIS

Dengue: Prevenir contra o Aedes ainda é a melhor solução

20 fev, 2019

A dengue é um arbovírus que causa febre alta, dores nas articulações, dor de cabeça, náuseas fadiga, manchas na pele, sangramentos e nos casos mais graves pode levar a morte.  O transmissor desta e outras patologias como a febre amarela, zika vírus, febre chinkungunya é o mosquito Aedes aegypti, que nasce principalmente no verão, durante as chuvas que chegam junto com a  estação mais quente ano. Na capital do Estado mais de 900 casos de dengue já foram notificados, já em Frutal foram notificados mais de 100 casos possíveis de dengue até o momento, com o primeiro caso fatal da doença registrado no início deste mês. Para reverter este quadro e prevenir os casos de arboviroses, os especialistas em saúde e sanitaristas alertam a população para os cuidados domésticos contra o mosquito.

De acordo com o Ministério da Saúde a participação da população é essencial no combate à dengue, já que é preciso manter os lugares sempre limpos sem o acúmulo de água parada principalmente em caixas d’águas e cisternas, vasos de plantas, pneus e garrafas. Segundo o coordenador de endemias, do município de Frutal, Luiz Afonso Queiroz Silva, evitar o acúmulo de água ajuda mas outros cuidados são necessários, por isso “sempre lavar a vasilha de água do bicho de estimação, colocar terra em vasos de plantas, utilizar telas nas janelas e repelentes são alguns exemplos”. É importante lembrar a população que o lixo acumulado nos quintais, ou descarta de maneira incorreta, também é responsável pelo aparecimento do mosquito “não despeje lixo em valas, valetas, margens de córregos e riachos. Assim você garante que eles ficarão desobstruídos, evitando acúmulo de dejetos, mosquitos e até mesmo as enchentes. Em casa, deixe as latas de lixo sempre bem tampadas”, completou o coordenador.

Sintomas e cuidados – Dores atrás dos olhos, na barriga e nos ossos, dor de cabeça, vômitos, diarreia, náuseas, fadiga e manchas na pele são comuns em casos de dengue. Segundo a enfermeira Ana Catarina, que atua no Hospital Frei Gabriel (HFG) e no Núcleo Municipal de Vigilância Epidemiológica, ao apresentar os sintomas mais agudos é importante procurar atendimento médico na Unidade Básica de Saúde (UBS) que funciona de segunda a sexta feira. Ela explica que o atendimento hospitalar deve ser procurado em ocasiões mais severas. “O HFG é direcionado para atendimentos de casos graves que necessitam de atendimentos emergenciais, como por exemplo: obstrução de vias aéreas, convulsões, respiração inadequada, hemorragia ou alteração súbita da consciência”, reforçou a enfermeira. É preciso estar atento aos sintomas, já que a evolução deles pode significar uma patologia mais grave do vírus.

Ainda de acordo com a enfermeira é fundamental combater o inseto. A proteção com repelentes e outras barreiras é fundamental. Em caso de ser acometido pela doença seguir as recomendações médicas e medicamentos prescritos pelo profissional. Repouso e hidratação são primordiais em todas as classificações, agudas ou não. É importante frisar que a automedicação pode ser um fator agravante, uma vez que nem todos os medicamentos são recomendados em suspeita de dengue, o mais importante é se manter hidratado.

Sobre a Dengue – Ainda não existem vacinas nem medicamentos específicos para combater o vírus da dengue. Nos últimos anos esta arbovirose foi colocada na lista de doenças com índice epidemiológico de maior impacto na saúde pública do Brasil. Um dos fatores que influência na sua propagação é o grande número de mosquitos causados pelo descuido da população nos períodos mais propícios para a propagação do vírus. A Organização Mundial da Saúde – OMS, destacou que cerca de 100 milhões de pessoas no mundo sejam infectadas anualmente pela dengue em suas diversas formas.