POLÍCIA

Envolvidas em brigas no lago são detidas pela polícia

12 jun, 2019

A Polícia Civil e a Polícia Militar  realizaram uma operação que conseguiu encaminhar três garotas que estavam envolvidas na briga que ocorreu na região do Parque dos Lagos para a Delegacia de Polícia Civil de Frutal. Após a repercussão dos vídeos que mostravam o acontecido nas redes sociais, os policiais conseguiram identificar as mulheres envolvidas.

O major Ivanildo Gomes dos Santos informou que desde que surgiu as imagens da briga, as autoridades da Polícia Civil, Poder Judiciário e Ministério Público se movimentaram para localizar os responsáveis e evitar novos acontecimentos análogos pela cidade.

O major ainda comunicou que durante a operação foi realizada a busca e apreensão de três envolvidas no caso para serem ouvidas com o intuito de dar continuidade nas investigações. Ainda segundo o oficial, outras três mulheres precisam ser conduzidas, pois a polícia foi na casa das suspeitas porém não foram encontradas nas localidades. Porém a polícia ainda segue trabalhando para localizar as outras envolvidas na situação.

O delegado regional, Fabrício Oliveira Altemar, esclareceu que logo um dia após a briga foi feita uma reunião para identificar todas as envolvidas. “Eu já ouvi uma delas, que foi a primeira a brigar no Lago. Segundo ela, ela fala que na sexta-feira que antecedeu a briga da quarta, elas se encontraram no Lago, teriam discutido com algumas outras meninas, mas como elas estavam portando canivetes, elas fugiram”, disse ele.

O delegado ainda inteirou que existe um grupo chamado “vomita desgraçada”, lugar em que as discussões teriam sido iniciadas. Segundo ele a polícia ainda investiga um possível incentivo por parte de outras pessoas que estavam no grupo. Estão sendo investigadas a possibilidade de apologia ao crime, lesão corporal, ameaça e associação criminosa.

O delegado também noticiou que as envolvidas são maiores de idade e ficarão soltas, uma vez que não existe um pedido de mandado de prisão preventiva, mas foi feito um mandado de condução coercitiva.