POLÍCIA

Suspeito de matar a ex-mulher é preso um ano depois do crime

27 set, 2018

Um ano e um mês depois de matar a ex-mulher em Frutal, o suspeito do crime, Rodrigo Lucas de Oliveira, 36 anos, enfim, está preso. O trabalhador rural apresentou-se a Polícia Civil, na manhã de terça-feira (25), acompanhado de um advogado. Contra ele, havia em aberto um mandado de prisão temporária, expedido dias depois do crime, ocorrido em 23 de agosto de 2017.

Conforme a investigação, Rodrigo matou a dona de casa Fátima Garcia da Silva, na época com 51 anos, a facadas. O homicídio foi registrado na rua José Morelli Sobrinho, n° 117, no bairro Frutal II. O corpo da mulher foi encontrado pela Polícia Militar no interior da residência. Fátima foi atingida no tórax e antebraços direito e esquerdo, um indicativo de que tentou se defender.

Conforme o delegado regional Fabrício de Oliveira Altemar, titular da Polícia Civil, após se apresentar, o suspeito foi encaminhado para o Presídio de Frutal. Ainda nesta semana, Rodrigo – que já havia sido indiciado – deverá prestar depoimento ao responsável pelo inquérito do caso, o delegado Bruno Giovannini de Paulo. A Justiça Criminal já foi informada da prisão do trabalhador rural.

CRIME

O tenente Ronaldo Lanes, que na época do crime comandava o 1° Pelotão de Polícia Militar em Frutal, a morte de Fátima foi descoberta a partir de uma denúncia feita pelo irmão do suspeito. “A Polícia Militar foi acionada às 18h30min, mas acreditamos que o homicídio tenha ocorrido no começo da manhã, uma vez que o denunciante declarou que após esfaquear a ex-mulher, Rodrigo foi até a casa dele e contou o que havia acontecido, afirmando que não iria trabalhar naquele dia”, relatou.

Na entrevista, o oficial da PM lamentou o fato da testemunha (que não teve o nome divulgado) não ter informado a Polícia Militar sobre a confissão do irmão, ainda na parte da manhã. “Eram 5h30min quando o suspeito confessou o crime, mas somente 13 horas depois, por volta de 18h30min, soubemos do caso. Infelizmente, já era tarde. Houve um lapso temporal muito grande, o que nos impediu inclusive de prestar socorro à vítima”, explicou.

A faca utilizada no homicídio, segundo o tenente Lanes, foi encontrada na residência, assim como documentos pessoais do suspeito. “Na casa, apreendemos uma peixeira, com aproximadamente 15 cm de lâmina. Em seguida, com as informações em mãos, fizemos diligências tanto na cidade como na zona rural. Mas não tivemos existo em descobrir o paradeiro de Rodrigo, que desapareceu após confessar o assassinato”, informou.

Assim que confirmou o crime, a Polícia Militar acionou a Perícia Técnica e a Polícia Civil para realizarem os procedimentos de praxe. “Desde o princípio suspeitamos de homicídio passional, pois conforme testemunhas, o relacionamento entre suspeito e vítima era bastante conturbado. É algo muito difícil de evitar”, ressaltou o oficial da PM. Fátima foi velada e sepultada em Vinhedo-SP, cidade do interior paulista onde residem os familiares.