POLÍTICA

Vice-governador e prefeitos anunciam apoio a Anastasia

18 set, 2018

Concorrente do PSDB ao governo de Minas Gerais, o senador Antonio Anastasia recebeu nesta segunda-feira (17) o apoio do vice-governador do Estado, Antônio Andrade (MDB), e de cerca de cem prefeitos emedebistas. A aliança foi fechada mesmo com a legenda tendo um nome próprio para a disputa ao comando do Estado, o presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes. Com isso, o senador diz que, até o final da eleição, vai contar com o apoio de cerca de 750 dos 853 chefes dos Executivos mineiros.

O ato foi realizado no escritório político do candidato ao Senado pela coligação Reconstruir Minas deputado federal Rodrigo Pacheco (DEM), na região Centro-Sul de Belo Horizonte. O parlamentar também recebeu o apoio do grupo. No início do ano, Pacheco havia saído justamente do MDB para pleitear a administração estadual, mas um acórdão nacional o obrigou a recuar e apoiar Antonio Anastasia.

“É uma ala muito significativa e majoritária do MDB de Minas, capitaneada por Antônio Andrade, o que é muito significativa pelo ponto de vista político e eleitoral. As lideranças municipais são muito importantes nessa eleição”, disse o candidato tucano.

Ele também negou que haja um mal-estar pelo o fato de o MDB ter candidato próprio: “Na política, nós aprendemos que o apoio é sempre bem-vindo”.

Ao ser questionado se o suporte dos emedebistas não tende a impulsionar ainda mais os ataques de seu principal adversário, o governador e candidato à reeleição, Fernando Pimentel (PT), que tem dito que ele é “golpista”, Anastasia afirmou que não há nenhuma ligação entre esses dois fatos. “Nós estamos fazendo campanha com muito tranquilidade, com calma total, apresentando propostas para, aí, sim, reverter o quadro caótico do governo de Minas Gerais hoje”, disse.

Aos jornalistas, Andrade afirmou que a “parte boa” do MDB vai acompanhar a campanha de Anastasia e Pacheco. Segundo ele, o MDB elegeu 167 prefeitos, e quase dois terços vão apoiar os dois nomes da chapa. Ainda segundo o emedebista, esse anúncio de aliança veio após conversas com a base do partido que, nas palavras dele, em sua maioria já apoiava os candidatos.

Em julho, Andrade foi destituído do cargo de presidente do MDB de Minas pela executiva nacional. A ação foi articulada pela bancada de deputados emedebistas, que não aceitavam as ações dele à frente da sigla. Indagado se esse apoio era uma retaliação, o vice de Pimentel negou. “De forma nenhuma. A candidatura do Adalclever é ilegítima. Ela foi escolhida por meia dúzia de deputados estaduais e federais. Eles sentaram a portas fechadas e escolheram isso. Se o MDB tivesse um candidato pela base eu acompanharia”, declarou.

Confusão. Anastasia ainda negou que tenha tido qualquer desconforto na coligação pelo fato de um dos nomes ao Senado na chapa, Dinis Pinheiro (SD), ter publicado vídeo em que o concorrente tucano ao governo do Estado João Batista Mares Guia (Rede) declara apoio a Dinis. “Quem sabe daqui a pouco ele resolve apoiar nossa candidatura? Eu vou receber com muita satisfação”, brincou Anastasia.